Como Cuidar de uma Cobra de Estimação

As cobras podem ser bons animais de estimação. Podem ser tímidas ou extrovertidas, dependendo da sua espécie, mas normalmente são fáceis de cuidar e requerem poucos cuidados. Aqui apresentamos alguns conselhos para aqueles que querem aprender a cuidar de uma cobra de estimação corretamente.

Porque escolher uma cobra para animal de estimação

De todos os répteis disponíveis como animais de estimação, as cobras parecem ser as mais populares. Vá a qualquer loja de répteis, e a maioria dos animais disponíveis são cobras. Uma das principais perguntas que uma pessoa sem experiência pergunta é qual é a cobra ideal para iniciantes, para aqueles que são novos no hobby.

Uma cobra de estimação pode ser bastante fácil de cuidar, sem grandes requisitos para além de um bom terrario e atenção a alguns detalhes, e para isso as mais fáceis de cuidar são as cobras de pequeno porte e que sejam pouco agressivas.

As cobras podem ser bons animais de estimação. Elas podem ser tímidas ou extrovertidas, dependendo da cobra e da sua espécie, mas normalmente são fáceis de cuidar. Aqui apresentamos-lhe alguns conselhos para aqueles que querem começar com uma cobra como animal de estimação, ou para aqueles que desejam adicionar um novo animal de estimação à sua coleção que seja diferente do clássico e fácil de manter.

Para poder cuidar de uma serpente corretamente é importante que conheça as suas principais características.

Vamos então começar pelas caraterísticas principais mais comuns a todas as cobras de estimação e depois vamos aprofundar mais em pormenor como cuidar de cobras como animais de estimação.

As Principais características das serpentes

características das serpentes
características das serpentes

Muitas pessoas têm um medo profundo desses répteis e outras uma grande fascinação. Seus corpos longos e esguios e a falta de pernas, pálpebras ou abas de orelha distinguem as cobras de todos os outros répteis. Elas são cobertas com seções de pele dobradas e flexíveis chamadas de escamas, e a pele entre as escamas é chamada de pele intersticial.

Estas caraterísticas tão diferente de nós, mamíferos, e mesmo de outros repteis mais comuns, induzem medo em algumas pessoas. Mas esse medo é infundado e apenas se deve ao medo do desconhecido, porque as cobras podem ser muito dóceis quando criadas desde a nascença em cativeiro e darem animais de estimação muito interessantes.

Como seus outros irmãos répteis, elas usam o calor do ar ao redor para regular sua temperatura corporal. Um corpo flexível permite que as cobras se estiquem para aquecer rapidamente, e se enrolem para conservar o calor do corpo ou apenas para aquecer uma parte específica do corpo.

No entanto isto é mais importante na vida natural, pois em cativeiro os terrarios para cobras devem ter vários pontos de calor (normalmente lâmpadas) e o calor é mais ou menos idêntico em todo o terrario.

É surpreendente a facilidade com que uma cobra consegue andar tão rapidamente. Apertando e relaxando os músculos de cada lado do corpo, uma cobra pode avançar muito rapidamente. A maioria das pessoas pensa em “escorregar” quando questionada sobre como uma serpente se move, mas não é a definição correta. Para um grupo de animais com a mesma estrutura corporal básica, as diferentes espécies de cobras podem-se mover de maneiras muito diferentes.

Até mesmo o jeito que elas “escorregam” pode ser muito variado. Há cobras que em determinados solos, como na areia, andam basicamente de lado enquanto que as cobras que normalmente abitam entre vegetação andam mais a direito para evitarem ficar enroladas na vegetação. E as cobras do deserto, onde a areia é muito quente, apoiam apenas uma pequena parte do corpo para se deslocarem.

As escamas achatadas especiais na parte inferior de seus corpos, chamadas de escudos ventrais, é o que dá tração às cobras.

alimentação das cobras
alimentação das cobras

Cobras com escudos apenas na parte inferior de seu corpo tendem a se mover mais devagar; as cobras mais rápidas têm escudos que se estendem também para os dois lados do corpo, e quanto mais escudos tiver, mais rápida é a cobra.

As cobras marinhas têm caudas achatadas que elas usam como remos para impulsioná-las através da água, dando excelentes nadadoras. Outras cobras são chamadas de cobras voadoras, embora elas realmente não voem, porque achatam seu corpo e espalham suas costelas para oferecerem maior resistência ao ar e assim voarem literalmente de árvore em árvore.

Como as cobras não têm pálpebras elas não podem fechar os olhos para dormir. Às vezes as pessoas acham que as cobras estão olhando para elas fixamente através do vidro, mas talvez a cobra esteja apenas dormindo – é difícil dizer.

De qualquer maneira as cobras não conseguem enxergar muito bem e parecem notar os objetos somente quando se movem.

Na maioria das vezes eles sentem suas presas através das vibrações causadas pelo movimento. As cobras são sensíveis às vibrações, particularmente aquelas feitas pelos animais terrestres que elas costumam caçar, mas o seu sentido mais agudo é o cheiro e é o que melhor as orienta na caça das suas presas.

As cobras são encontradas a viver em quase todos os habitares imagináveis, assim como em todos os continentes, exceto na Antártida. As cobras podem ser encontradas em oceanos abertos, vastos desertos e regiões montanhosas a altitudes de mais de 3.000 metros. Aqueles que vivem em lugares onde fica muito frio no inverno podem hibernar em covas subterrâneas profundas, permanecendo dormentes até que a primavera traga o clima quente novamente e possam despertar e sair. As cobras que vivem em habitats desérticos costumam passar a parte mais quente do dia em tocas escavadas por outros animais.

A alimentação das cobras no estado selvagem

Todas as cobras são estritamente carnívoras e têm uma dieta bastante variada: comem mamíferos, como ratos e coelhos, peixes, sapos ou até mesmo outras cobras! Existem algumas cobras que só comem ovos, geralmente ovos de pássaros. Para não engolirem aquela casca dura, uma cobra comedora de ovos tem ossos afiados na garganta que cortam o ovo enquanto é engolido e depois cospem os pedaços de casca fora.

As cobras encontram suas presas de várias maneiras: pela visão, embora fraca, sentindo vibrações com seu corpo, ou ao “saborear” o ar com a língua para ver o que está por perto, visto o seu sentido mais apurado ser o olfato.

As cobras têm dois métodos principais de encontrar comida: caçar ativamente por comida ou ficar emboscada a aguardar, esperando que a comida chegue até elas. Geralmente são as cobras maiores, como pythons, jibóias e víboras que usam a técnica de “sentar e esperar”, mas até essas serpentes podem ter que se mudar para outra área de tempos em tempos se não obtiverem sucesso na espera.

As cobras podem atacar (ou avançar rapidamente para pegar sua presa) com uma velocidade incrível. Alguns pegam presas pequenas e começam a engolir imediatamente, outros agarram e apertam suas presas, apertando cada vez mais até que a vítima acaba de morrer com falta de ar. Essas cobras constritoras sentem o batimento cardíaco da presa e se contraem até ele parar.

Cobras venenosas injetam uma proteína complexa tóxica em suas presas que as mata ou paralisa, mas estas são proibidas de manter em cativeiro devido ao perigo que representam. Apenas alguns laboratórios e certos criadores têm autorização para cuidar de cobras venenosas.

As cobras não usam os dentes para mastigar a comida – elas engolem tudo inteiro. Você pode imaginar tentando colocar uma sandes inteira na sua boca?

Bem, as cobras podem comer presas que chegam a 20% do tamanho do seu corpo! Eles começam sua refeição engolindo a presa pela cabeça, segurando com dentes afiados que apontam para trás e não deixam a presa escapar mesmo que ainda esteja viva.

Seus ossos da boca estão frouxamente presos um ao outro e ao crânio, e as mandíbulas inferiores têm uma faixa elástica de pele segurando-as juntas pelo que a sua boca pode-se abrir para deixar passar presas maiores que a sua própria cabeça.

Em seguida, os músculos da garganta e do corpo ajudam a puxar a presa para o esôfago. Além disso, a abertura para a traqueia é na frente superior da boca e é móvel, de modo que as cobras são capazes de respirar enquanto engolem e nunca se engasgam.

As cobras de estimação tendem a comer o máximo que lhe der e, dependendo do tamanho da refeição, as cobras podem não ter que comer novamente por vários dias, semanas ou mesmo meses.

No entanto isso não é adequado. Deve-se alimentar a cobra regularmente com bocados de alimentos não mais grossos que a sua cabeça, embora possam ser muito mais compridos.

O terrario ideal para uma cobra de estimação

Eles gostam de cavar e se esconder, então um terrario de tamanho decente e substrato solto (forro) na parte inferior é fundamental para elas se sentirem bem, ou então alguns trocos ocos e outros objetos que elas possam usar como esconderijos.

Uma grande variedade de materiais pode ser usada como substrato para a sua cobra de estimação. O jornal é a escolha mais utilitária, pois é muito fácil de limpar, mas sua aparência no terrario deixa um pouco a desejar.

terrario ideal para uma cobra
terrario ideal para uma cobra

Carpetes sintéticos tipo erva, ou mesmo aqueles que usamos em nossas casas regularmente, também podem ser usados, e se você tiver dois idênticos, você pode alterna-los, colocando o limpo para limpar o sujo corretamente; para lavar e secar completamente antes de o tornar a usar.

Chips de casca de pinheiro são outra boa escolha. Os chips sujos de fezes podem ser simplesmente retirados e uma limpeza mais completa pode ser feita quando houver necessidade.

As aparas de madeira podem ser usadas de maneira similar, embora seja provavelmente uma boa ideia mover a cobra para um recipiente separado quando for altura da alimentação, para que as aparas não sejam ingeridas inadvertidamente, pois podem ferir a cobra e, por isso não são recomendadas.

Areia, terra, aparas de pinho e aparas de cedro também não são boas opções para as cobras de estimação, embora algumas pessoas as utilizem. Afinal de contas a terra constitui o habitat natural delas, desde que não se deixe o comer quando húmido cair na terra é um extrato de terrario que as cobras até gostam.

A maioria das cobras são excelentes artistas na arte da fuga, por isso seus compartimentos devem estar seguros e sem qualquer possibilidade de fuga, por muito pequena que seja. Se uma cobra sai de seu terrario, ela não apenas pode se perder ou se machucar como pode dar um bom susto a um visitante que vá a sua casa. E acredite que encontrar uma cobra fugidia pode ser bem complicado, pois elas conseguem esconder-se nos sítios menos prováveis.

Escolher um terrario solido é uma necessidade para o cuidado adequado de uma cobra em cativeiro. Um aquário de 80 a 100 litros (uma versão de um tanque de 80/100 litros mais para o comprido que para a largura) faz um terrario bom e fácil para qualquer cobra de pequena estatura (menos de 2 metros) embora não seja o mais fácil na hora da manutenção.

É importante obter uma tampa de encaixe e fique bem segura, que possa ser bem fixada para este tanque. As cobras empurram a tampa com seus narizes procurando fraquezas e pequenas aberturas, por isso o encaixe da tampa é muito importante, porque basta uma pequena falha para elas fugirem.

Forneça esconderijos para sua serpente de estimação. Se não tiver um esconderijo que seja adequado para que a cobra se enrole e esconda ela não se sentirá segura e terá mais tendência a tentar fugir.

Pedaços de casca de cortiça podem fornecer esconderijos adequados para sua cobra se ela estiver em um substrato que permita que ela se enterre sob a casca. Idealmente, deve haver um esconderijo disponível na extremidade mais fria e outro na mais quente do terrario. Também forneça um ramo para ela escalar, porque muitas cobras adoram subir até ao cimo do terrario.

Manter o terrario da sua cobra na temperatura correta também é vital. Mantenha um intervalo de temperatura de cerca de 21º a 29º C na gaiola. Várias formas de aquecimento podem ser usadas, mas elas podem dificultar o monitoramento de quão quente o terrario está ficando.

Luzes de calor incandescente ou um pequeno aquecedor doméstico ligadas a um termostato, que desligue se passar a temperatura recomendada, é preferível. A maioria das cobras de estimação são de climas temperados, portanto não precisam de temperaturas muito quentes. Certifique-se de que o habitat não fique demasiado quente.

Todos os terrarios devem ter uma pequena banheira onde o réptil se possa banhar quando se sentir demasiado quente. Tal como uma temperatura baixa é prejudicial ao desenvolvimento da cobra uma temperatura demasiado elevada pode ser ainda pior, pois as cobras não têm como regular a temperatura do seu corpo.

Um prato grande de água é necessário, e a água deve ser mantida sempre limpa. As cobras defecam frequentemente na sua água e, quando isso acontece, os resíduos devem ser limpos imediatamente. Um prato pesado, com vários centímetros de diâmetro, faz uma boa fonte de água, que serve tanto para beber como para se banhar quando está muito quente, e não deve ser demasiado alto para não tombar.

A alimentação perfeita para a uma serpente de estimação

A maioria das cobras que são mantidas em cativeiros são caçadoras de roedores e, por esse motivo, pequenos ratos adequados ao seu tamanho são o alimento de eleição. Filhotes de ratos são o ideal para a alimentação da sua cobra, e o tamanho da presa irá aumentado à medida que a cobra cresce.

alimentação perfeita para a uma serpente
alimentação perfeita para a uma serpente

O tamanho da presa pode ser tão largo, ou um pouco mais largo, que a cabeça da cobra e comprimento não tem grande importância. Para quem não cria os ratos a melhor opção é compra-los congelados e depois retira-los e deixá-los descongelar completamente antes de os servir à sua cobra de estimação.

Para ser mais rápido os ratos podem ser inseridos em agua e levados ao lume até levantar fervura, arrefecendo-os depois até à temperatura das nossas mão. Quando já não o sentirmos “quente” está pronto para ser fornecido como alimento à sua serpente.

Na natureza a maioria das cobras comem de quase tudo o que encontram, desde ratos, pássaros a insetos, pelo que em cativeiro podem ser alimentadas da mesma maneira.

Como criar ratos não é muito cômodo para certas pessoas e compra-los pode sair caro, comprar codornizes para consumo doméstico, corta-las em pedaços estreitos e longos e congela-las, para ir intervalando com os ratos, é uma boa opção e sai muito mais barato.

As serpentes jovens em crescimento devem ser alimentadas duas a três vezes por semana, enquanto as adultas só precisam receber uma presa de tamanho apropriado a cada semana ou 10 dias.

O apetite da sua cobra vai diminuir na altura da muda de pele, tanto mais que ela nessa fase não consegue ver, por isso reduza a frequência de alimentação, ou interrompe-a completamente, se a sua cobra estiver prestes a começar a mudar de pele, que se vê facilmente porque a sua pele fica opaca e os olhos enevoados.

Por fim…

Como escolher a sua cobra de estimação

Ao escolher uma cobra de estimação, um espécime criado em cativeiro é a melhor escolha e não deve ser muito difícil de encontrar, já que as cobras-de-milho se reproduzem prontamente em cativeiro.

Procure uma cobra que não tenha pele presa ao longo do corpo, que tenha olhos claros, sem cortes ou arranhões, sem sinais de ácaros ou carrapatos. E que esteja alerta e sacudindo a língua.

Se ela estiver com aspeto doente, muito quieta e enrolada, e não responder aos seus acenos e toques no vidro, pode estar doente e deve ser evitada.

Se for possível pedir ao vendedor para a alimentar à sua frente melhor. Uma cobra que come bem e rapidamente é sinal de estar de boa saúde.