A Dieta Cetogénica Torna As Células Do Corpo Mais Resistentes

Os investigadores da Universidade de Stanford descobriram que esta dieta oferece às células do corpo uma resistência semelhante à do jejum.

A equipa descobriu que a dieta cetogénica e o jejum intermitente tinham os mesmos efeitos protetores nas nossas células.

Mais uma vez, ficou provado que a saúde está no prato. Investigadores da Universidade de Stanford descobriram que a dieta cetogénica tornou as células estaminais musculares mais resistentes ao estresse.

À medida que envelhecemos, vamos experimentando uma cura mais lenta e menos completa dos nossos tecidos e é preciso compreender o que controla esta capacidade regenerativa e o quão rápido este processo afeta as nossas células.

Descobriu-se que o jejum intermitente induz resiliência nas células estaminais musculares para que estas sobrevivam durante a privação e estejam disponíveis para reparar os músculos quando os nutrientes estiverem novamente disponíveis de uma maneira muito idêntica à dieta cetogénica.

O que é o Jejum Intermitente?

Jejum Intermitente
Jejum Intermitente

A maioria das dietas se concentra no que você come. Ou, o número de calorias que você come. O jejum intermitente concentra-se sobre quando você come.

É daí que vem o nome: jejum. Os horários de alimentação são pré-estabelecidos e há momentos em que é sugerido não comer. O objetivo é jejuar por um determinado período do dia. Também pode funcionar com dias predefinidos da semana em que você não come nada.

O jejum intermitente pode promover o metabolismo e a consequente queima do excesso de calorias. Evidências científicas parecem provar que existem benefícios diretos para a saúde.

O corpo humano evoluiu muito ao longo de centenas de anos. Nos tempos pré-históricos, era comum os humanos ficarem sem comida por um longo período de tempo. Por outro lado, e isso não faz muito tempo, as pessoas tinham hábitos totalmente diferentes dos de hoje.

Passavam mais tempo fora de casa, dormiam em horários mais regulares e tinham trabalhos mais exigentes fisicamente.

Não havia internet ou redes sociais para entreter as pessoas sem sair de casa. Neste mundo de entretenimento 24 horas por dia, 7 dias por semana em que vivemos, passamos muito mais horas sentados no sofá, muitas vezes, com snacks a acompanhar.

A Ingestão de calorias extras e menos exercício levam a um risco maior de obesidade. Sem mencionar os diabetes, as doenças cardíacas e outras devido à inatividade.

O importante é que vários estudos indicam que o jejum intermitente parece indicar alguma melhora nesse sentido.

Enfim, o que é a dieta cetogénica?

dieta cetogénica
dieta cetogénica

A dieta cetogénica consiste em um baixo consumo de carboidratos e um alto consumo de gorduras boas, como o azeite. Tecnicamente, a ingestão de carboidratos neste tipo de dieta equivale a cerca de 20 a 50 gramas por dia. Isso, claro, depende de fatores como idade e estilo de vida, por exemplo.

Quando nosso corpo realiza o metabolismo da gordura para gerar calorias, gera no sangue os “corpos cetónicos” que têm uma ação estimulante natural. Portanto, esse processo reduz a fome de forma mais intensa e acelera a perda de peso.

No entanto, lembramos que para uma prática segura, saudável e adequada de qualquer dieta, é imprescindível o acompanhamento de um nutricionista. Pensando nisso, é aconselhável consultar um nutricionista antes de escolher um tipo de dieta que tenciona manter durante um longo lapso de tempo.

Uma dieta pobre em hidratos de carbono

Neste estudo, a equipa descobriu que a dieta cetogénica e o jejum intermitente tinham os mesmos efeitos protetores. A chamada “dieta keto” é baseada numa dieta rica em boas gorduras e pobre em hidratos de carbono, o que faz com as cetonas ocorrem quando o corpo usa a gordura como energia, mas também pressionam as células estaminais para um estado de repouso que as protege durante a privação.

Neste estado, elas estão protegidas do estresse ambiental, mas também são menos capazes de regenerar os tecidos danificados.

Mais pesquisas mostraram que as células estaminais musculares de animais em jejum intermitente eram mais pequenas e se dividiam mais lentamente. Estas células também eram mais resistentes.

Para além disso, os investigadores isolaram células estaminais musculares de ratos idosos tratados com corpos cetónicos durante uma semana. Como resultado, as velhas células estaminais musculares sobreviveram mais tempo do que as outras. Embora sejam necessários mais estudos, os investigadores acreditam que estes resultados podem ajudar a combater o envelhecimento e a melhorar o funcionamento das células estaminais.